domingo, 17 de outubro de 2010

Trabalho de Campo

O Centro Acadêmico apóia os Trabalhos de Campo por ser uma atividade de extrema importância para o ensino que buscamos desenvolver na geografia UFSCar – Sorocaba.

Sendo o trabalho de campo importante recurso no ensino-aprendizagem para se compreender a relação entre a sala de aula e a prática de campo, desta forma melhorando o aproveitamento do conteúdo apreendido.

Penso que a maior parte dos geógrafos concorde com o fato de que a ida a campo seja um instrumento didático e de pesquisa de fundamental importância para o ensino e pesquisa da/na Geografia. Enquanto recurso didático, o trabalho de campo é o momento em que podemos visualizar tudo o que foi discutido em sala de aula, em que teoria se torna realidade, se ‘materializa’ diante dos olhos estarrecidos dos estudantes, daí a importância de planejá-lo o máximo possível, de modo a que ele não se transforme numa ‘excursão recreativa’ sobre o território, e possa ser um momento a mais no processo ensino/aprendizagem/produção do conhecimento (MARCOS, 2006).

Ressaltando o trabalho de campo como um meio de elucidar a teoria e desenvolver novas indagações na sala de aula em conjunto de outros valores, como cooperação em trabalho de equipe, gosto pelos estudos, sensibilidade e percepção através do olhar geográfico, estreitando a relação professor-aluno e aluno-aluno.

Destacando-se o papel do professor no processo de planejamento, execução, análise e relatórios do trabalho de campo, no qual segundo Pierre Monbeig (1936) afirmava que, “[...] as excursões constituem um valioso auxílio e devem ser aproveitadas e aplicadas com o objetivo definido, geográfico, afim de que não redundem em simples passeio ou viagem de turismo”.

Sendo o conhecimento científico de conteúdo natural, histórico e social, transmitido pela prática que faz compreender a sociedade contemporânea e de saber que tal conhecimento será devolvido para a própria sociedade.

Agradecemos pelos esforços de todos, pela competência e dedicação prestada através dos trabalhos de campo e por toda a geografia, apesar de certas questões principalmente de ordem burocráticas ainda prejudicarem os trabalhos.

Referências:
MARCOS, Valéria de. Trabalho de Campo em Geografia: Reflexões sobre uma Experiência de Pesquisa Participante. In: Boletim Paulista de Geografia. São Paulo: AGB, n.84, p. 105 – 136, 2006.

domingo, 3 de outubro de 2010

Mário Quintana - Certezas

"Não quero alguém que morra de amor por mim… Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim… Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível… E que esse momento será inesquecível... Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre… E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor. Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém… e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto. Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho… Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa... E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo. Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe… Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz. Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos... obterei êxito e serei plenamente feliz. Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas… Que a esperança nunca me pareça um “não” que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como “sim”. Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros… Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento. Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão… Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… e que valeu a pena."