domingo, 17 de outubro de 2010

Trabalho de Campo

O Centro Acadêmico apóia os Trabalhos de Campo por ser uma atividade de extrema importância para o ensino que buscamos desenvolver na geografia UFSCar – Sorocaba.

Sendo o trabalho de campo importante recurso no ensino-aprendizagem para se compreender a relação entre a sala de aula e a prática de campo, desta forma melhorando o aproveitamento do conteúdo apreendido.

Penso que a maior parte dos geógrafos concorde com o fato de que a ida a campo seja um instrumento didático e de pesquisa de fundamental importância para o ensino e pesquisa da/na Geografia. Enquanto recurso didático, o trabalho de campo é o momento em que podemos visualizar tudo o que foi discutido em sala de aula, em que teoria se torna realidade, se ‘materializa’ diante dos olhos estarrecidos dos estudantes, daí a importância de planejá-lo o máximo possível, de modo a que ele não se transforme numa ‘excursão recreativa’ sobre o território, e possa ser um momento a mais no processo ensino/aprendizagem/produção do conhecimento (MARCOS, 2006).

Ressaltando o trabalho de campo como um meio de elucidar a teoria e desenvolver novas indagações na sala de aula em conjunto de outros valores, como cooperação em trabalho de equipe, gosto pelos estudos, sensibilidade e percepção através do olhar geográfico, estreitando a relação professor-aluno e aluno-aluno.

Destacando-se o papel do professor no processo de planejamento, execução, análise e relatórios do trabalho de campo, no qual segundo Pierre Monbeig (1936) afirmava que, “[...] as excursões constituem um valioso auxílio e devem ser aproveitadas e aplicadas com o objetivo definido, geográfico, afim de que não redundem em simples passeio ou viagem de turismo”.

Sendo o conhecimento científico de conteúdo natural, histórico e social, transmitido pela prática que faz compreender a sociedade contemporânea e de saber que tal conhecimento será devolvido para a própria sociedade.

Agradecemos pelos esforços de todos, pela competência e dedicação prestada através dos trabalhos de campo e por toda a geografia, apesar de certas questões principalmente de ordem burocráticas ainda prejudicarem os trabalhos.

Referências:
MARCOS, Valéria de. Trabalho de Campo em Geografia: Reflexões sobre uma Experiência de Pesquisa Participante. In: Boletim Paulista de Geografia. São Paulo: AGB, n.84, p. 105 – 136, 2006.

domingo, 3 de outubro de 2010

Mário Quintana - Certezas

"Não quero alguém que morra de amor por mim… Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim… Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível… E que esse momento será inesquecível... Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre… E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor. Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém… e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto. Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho… Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa... E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo. Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe… Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz. Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos... obterei êxito e serei plenamente feliz. Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas… Que a esperança nunca me pareça um “não” que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como “sim”. Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros… Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento. Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão… Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… e que valeu a pena."

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Album de Fotos !!

I Semana de Estudos da Geografia

Atualizando diariamente
;)


https://www.dropbox.com/gallery/10067529/1/SEG?h=ff03d6


Murilo Shiga
5higa.blogspot.com
Rep. Toca do Saci

Comissão Organizadora
I Semana de Estudos da Geografia
UFSCar - Sorocaba
CAGEOS

I Semana de Estudos da Geografia

Segue abaixo o Link para download da apresentação:

CONFLITOS SOCIAIS NO CAMPO BRASILEIRO

ARIOVALDO UMBELINO DE OLIVEIRA
PROFESSOR TITULAR DE GEOGRAFIA AGRÁRIA – FFLCH - USP

Link:
http://dl.dropbox.com/u/10067529/CONFLITOS_SOCIAIS_NO_CAMPO_BRASILEIRO.ppt



Murilo Shiga.
Comissão Organizadora
I Semana de Estudos da Geografia
UFSCar - Sorocaba

I Semana de Estudos da Geografia


Organização de Eventos
CAGEOS !!!!!!
xD

sábado, 19 de junho de 2010

ATA DA PLENÁRIA FINAL DO XII EREGEO-SE

ATA DA PLENÁRIA FINAL DO EREGEO-CAMPINAS
Propostas e moções aprovadas pela plenária final do encontro:
APROVADAS:
- Os estudantes de geografia da região Sudeste, reunidos em seu XII encontro, afirmam o
compromisso do movimento estudantil de geografia com a defesa da educação pública, gratuita, de
qualidade, universal e com garantia de assistência estudantil plena, além de referenciada nos
desafios da transformação social.
- Nesse sentido, é urgente reconstruir um programa de reforma universitária que considere a
democratização e ampliação de vagas nas universidades públicas; com uma assistência estudantil
ampla e coerente; democratização dos espaços de eleição, decisão e gestão das universidades.
- Construir a unidade ampla entre os setores que estão dispostos a enfrentar as políticas
neoliberais na área da educação que vêm sendo implementadas pelo governo estadual e federal
(UNIVESP, REUNI, Universidade Aberta do Brasil, PROUNI).
- Apoio às lutas dos movimentos sociais. Que a executiva regional de geografia organize
espaços de debates e formação junto aos movimentos.
- Contra qualquer tipo de coerção, repressão e punição por parte das reitorias e governos aos
Movimento Estudantil, de trabalhadores e professores. Contra os processos de sindicância que
visem coagir o movimento e punir estudantes, trabalhadores e professores envolvidos em
manifestações nos cursos da região. Em defesa da liberdade de ação e expressão na universidade,
não a intervenção da reitoria no M.E. e pela liberdade de realização de festas e atividades políticas
pelos estudantes e movimentos sociais.
- O projeto de educação superior dos estudantes deverá ser construído em diálogo com os
projetos pelas entidades do movimento de educação e demais movimentos sociais. Tal projeto
deverá ter como referência o processo de construção do PNE (Plano Nacional de Educação), que
prevê a construção efetiva de um Sistema Nacional de Educação, com o intuito de atualizá-lo de
maneira crítica.
- Luta pela contratação de professores e discussão de grade curricular dos cursos de
Geografia.
- Campanha pelo trabalho de campo como saber geográfico e necessidade da formação
geográfica.
- Que a EREG-SE construa uma campanha contra as opressões (mulheres, negros e LGTTTB)
- Que o próximo EREGEO/SE tenha uma mesa e um GD sobre opressões. Que nos encontros
e conselhos não existam práticas machistas, racistas e homofóbicas.
- Construir espaço de articulação com grupos já existentes (rádios livres, agroecologia, grupos
que discutem Deserto Verde, etc.)
- Que a EREG-SE e as escolas que a compõe, discutam a profissão do geógrafo e sua inserção
no mercado de trabalho.
- Discutir e questionar a questão da propriedade intelectual nos cursos de geografia do
Sudeste (acesso livre ao conhecimento; financiamento público para financiar livros de acesso
público).
- Que a EREG-SE elabore uma proposta de seminário que relacione os pontos gerais sobre
educação, aprovados no XII EREGEO/SE, com o currículo de geografia e a realidade local das
universidades; com a seguinte estrutura: num dia, debate nas universidades com mesa; que haja
grupos de trabalho e sistematização das discussões.
- Um conselho que tenha como ponto de pauta – privilegiado – a sistematização destas
atividades ocorridas nas escolas
- Os estudantes da Universidade Federal de Alfenas – UniFAl, serão a sede do XIII
EREGE/SE.

http://geografia.org.br/

terça-feira, 15 de junho de 2010

Imagem da Semana



Glacial meltwater flows into Tasermiut fjord in south Greenland on a late September afternoon. The region's 4,000-foot-high granite cliffs draw world-class rock climbers.

domingo, 30 de maio de 2010


sábado, 15 de maio de 2010